Atendimento

CONTO ERÓTICO

imagem conto

Sargento Rodrigues

   Naquele domingo, não sei o motivo, acordei com um tesão fora do comum. Normalmente quando isso acontecia, eu me masturbava e dava continuidade a minha vida. Mas, naquele dia foi diferente. Toquei uma punheta e gozei jatos espessos de porra, mas ainda assim, o tesão continuava. Meu pau não abaixava nem por decreto. Percebi que não havia outra coisa a fazer se não tomar um banho e ir ao Cine Rex, ver se conseguia um cara.

   Eu sabia que o cinema abria pontualmente às 10 horas da manhã, nos finais de semana, por isso, depois do banho, fiz meu desjejum, me perfumei e após me aprontar, rumei para o Cine Rex. Meu território de caça.

   Cheguei meia hora antes de o cinema abrir. Resolvi tomar um cafezinho num boteco ali perto. Logo que entrei, notei um homem negro, cerca de 1,80m, cabelos cortados ao estilo militar, trajando um safári bege, tomando um café-com-leite e comendo uns pãezinhos junto ao balcão. Ao passar por ele, senti o aroma do perfume de qualidade, e percebi seu olhar me devorando como se eu fosse um doce exposto numa vitrine de confeitaria.

   Aproximei-me do balcão e pedi um suco de laranja, tendo a mais absoluta certeza de que o negro me comia com os olhos. Fingi não notar e continuei sorvendo o meu suco, até que entrou um homem e pediu uma dose de cachaça, a qual o camarada bebeu de um gole só. Senti nojo do tal sujeito e soltei uma exclamação de desaprovação, o camarada da cachaça não se importou, pagou a dose e foi embora.

   No entanto, isso serviu de motivação para que o negro puxasse uma conversa: Como pode né?! Essa hora da manhã. E o cara já bebendo desse jeito! Disse. Não sei como consegue. Eu mal aguento um cafezinho dei corda. O que foi suficiente para que meu colega de balcão se apresentasse e em minutos conversássemos como se fossemos grandes amigos. Seu nome era Rodrigues, Sargento Rodrigues, fuzileiro naval, tinha 40 anos e estava de folga.

   Durante a conversa, ele deixou claro que, assim como eu, esperava o Cine Rex abrir, pois ele queria se divertir um pouco. Confesso que fiquei curiosíssimo para saber se ele era ativo ou passivo, já que Rodrigues era muito educado, tinha as mãos sem calos e bem cuidadas, mas não era nem um pouco afeminado. Porém, como eu também não o sou e passo facilmente por hétero, minha dúvida cresceu, e me mantive quietinho, esperando o desenrolar dos fatos.

   Minutos antes de o cinema abrir, pedi licença para ir ao banheiro, e enquanto caminhava, pude ver pelo espelho que o olhar de Rodrigues estava fixo em minha bunda, o que foi suficiente para fazer meu tesão via à tona de modo avassalador. A ideia de dar para o militar tomou conta de mim. Quando voltei, o sargento já tinha pago nossa conta. Quis cobrir o meu gasto, mas ele afirmou que não era preciso e que depois veríamos um jeito de eu ressarci-lo.

   Lentamente nos aproximávamos da bilheteria, quando ele comentou que estava torcendo para que o filme fosse muito sacana, com muito sexo oral e anal, já que ele se considerava viciado em sexo oral e anal. Sem ter o que dizer, falei: Tomara que sim. Aí ele perguntou: Você também gosta? Sem graça, respondi que sim. De surpresa e se soltou. Cara eu sou louco por um cuzinho. Gosto de tomar uma bela mamada e depois comer um cuzinho de um garoto, assim. Branquinho, lisinho. Só faltou dizer que o tal garoto tinha de ter olhos azuis e cabelos castanhos escuros para fazer a minha descrição.

   Eu só venho aqui para isso. Eu entro no cinema, nem vejo o filme, observo um garoto com uma bundinha arrebitada, vou me chegando, cercando e depois dou o bote! Levo o garoto para um motel e como o cú dele até me esbaldar. Eu estava abismado, sem ter o que falar... E ele completou: E você? O que você acha, disso? Sem muito pudor. Perguntei: Isso é uma cantada? E se fosse? Respondeu o fuzileiro. Se for uma cantada. Colou eu nem me reconheci tamanha sem vergonhice.

   Então, vamos sair daqui que estou com um tesão em você desde que você entrou no bar. Tem um motel aqui perto que a gente pode ficar mais à vontade concluiu. Sem termos muito que falar, caminhamos lado-a-lado até a Rua da Lapa, onde tem um hotel que recebem cavalheiros. Rodrigues escolheu um quarto especial, com um de banco erótico, que eu nem sabia do que se tratava. Assim que entramos no quarto, o fuzileiro ligou a televisão. Na tela, um negro com uma pica imensa, arregaçava o cú de um cara branco, sem dó nem piedade. Com um sorriso no rosto, Rodrigues mandou-me tomar um banho.

   Sem dizer uma palavra, obedeci tirando a roupa, ficando nu em pelo... Caminhei para o chuveiro e deixei a água quente descer pelo meu corpo. Peguei um sabonete e passei a me ensaboar, principalmente a bunda e meu cuzinho, imaginando o que viria pela frente. Antes que eu me enxaguasse, Rodrigues entrou no boxe e eu senti sua piroca dura espetar a minha bunda, bem no meio do rego. Me abraçando com um dos braços, ajeitou a pica na direção da entradinha do meu cú e, com uma estocada certeira, tentou me penetrar de uma só vez.

   Apesar de eu estar com a bunda ensaboada e com o cú lubrificado com a espuma, o caralho de Rodrigues não conseguiu romper as minhas pregas. Ao contrário, resvalou pra cima, mas mesmo assim me causou uma dor intensa, me fazendo soltar um grito de dor. Instintivamente, levei a mão para trás a fim de afagar meu buraquinho, esbarrando na tora de pica do sargento que a pouco tentara invadir meu cú. Percebi que a caceta era imensa... Talvez, a maior que eu já tivera pela frente, ou por trás, em toda minha vida.

   Espantado e temeroso, disse choramingando: Porra, cara. Você me machucou. Desculpe Não tive a intenção. Respondeu. Porque você fez isso? Pensei que você fosse um desses garotos arrombados que frequentam aquele cinema. Se fosse, eu iria te comer aqui mesmo e te mandaria embora! Disse ele. Pô, cara. Eu não sou arrombado, não. Não fico por aí dando o cú para qualquer um, se é que você quer saber! Já pedi desculpas. Agora, vamos para a cama que eu vou fazer essa dor passar disse.

   Molhados como estávamos fomos para a cama. Rodrigues me colocou de bruços, com um travesseiro embaixo do meu ventre, fazendo com que minha bunda ficasse empinada, apontando para o teto do quarto. Depois, afastou minhas pernas, deixando meu cuzinho totalmente à mostra, se colocou entre as minhas pernas, abriu meus montes brancos e lisos, caindo de boca no meu cú ainda dolorido. Sua língua quente e molhada tentou invadir meu buraquinho, o que me fez gemer.

   O sargento sabia trabalhar um cú com a língua, tinha experiência e habilidades de quem era mestre em chupar um cú. Além da língua, ele usava muito bem a boca, como um maestro, pois beijava e mordia, na medida certa, as bandas de meu traseiro que ele mantinha afastadas, e logo depois, retornava o ataque ao meu buraquinho rosado. Assim que percebeu que eu estava totalmente entregue, relaxado e que o suplício da dor sentida durante o banho já havia sido esquecido e eu me encontrava no ponto exato para ser fodido, Rodrigues, se colocou de joelhos atrás de mim, prendendo minhas pernas embaixo das dele, apontou a cabeça do pau para a entrada do meu cú e, antes que ele consumisse a penetração.

   Põe devagar, por favor não quero me machucar. Fica quieto que quem entende de comer cú aqui sou eu, porra! respondeu asperamente. Fiquei obedientemente em silêncio, esperando por suas ações. E não me arrependi. Com a sabedoria de sabia o que estava fazendo e com uma paciência monástica, o sargento fuzileiro, colou a cabeça da pica na portinha do meu cuzinho mais do que lubrificado, sem forçar muito, mas com firmeza, foi lentamente invadindo meu esfíncter.

   Com uma das mãos, ele afastava os montes carnudos de minha bunda, com a outra direcionava a piroca para o meu cú, não deixando que ela escapasse do rumo certeiro, enquanto a fazia tremer como um vibrador. As minhas pregas foram cedendo e a pica foi ganhando lugar dentro de mim, milímetro a milímetro, até que ela se alojou inteiramente no meu reto. Logo que eu senti, os pelos pubianos encostarem-se a minha pele e o seu saco pousar sobre o meu, o fuzileiro naval, deslizou seus braços sob os meus, envolvendo meus ombros com suas mãos e deu início a delicioso e cadenciado movimento de entra e sai do seu membro.

   A essa altura, seu corpo cobria o meu, eu podia sentir o seu peso sobre mim, o que dificultava a respiração, mas eu não ousava reclamar, pois estava muito gostoso. Minha fome de sexo estava sendo saciada. Eu estava subjugado, dominado e estava amando! Não faço a menor ideia de quanto tempo Rodrigues me comeu daquele jeito. O que posso afirmar, com certeza, é que até aquele momento eu nunca havia sido tão bem fodido em toda minha vida. Ele meu comia de um jeito gostoso, sem pressa, aproveitando o prazer que meu cú lhe proporcionava. Eu sentia sua piroca deslizar dentro de mim, entrando e saindo, num ritmo delicioso, que gradativamente foi me levando ao êxtase, me enlouquecendo.

   Tanto que, se não fosse o fato de estar preso sob as pernas de Rodrigues, com seu peso e seus braços me imobilizando, eu já estaria me rebolando como louco naquela piroca gostosa. Só me restava gemer de prazer. De repente, o sargento, acelerou os movimentos, me fodendo com força. Pressenti o gozo que se anunciava. E então, com uma estocada profunda, senti um oceano de porra ser despejado dentro de mim, ao mesmo tempo em que eu expelia meu suco do prazer nas fibras do lençol do hotel. Exaustos, permanecemos com estávamos. Banhados de suor, continuávamos imóveis, enquanto o êxtase se esvaia.

   Rodrigues deixou-se rolar vagarosamente para o lado, fazendo com que seu cacete saísse de dentro de mim. Senti uma estranha sensação de vazio no cú. Levei a mão até meu buraquinho e notei que estava totalmente aberto. Apertei a minha bunda na tentativa de fazer meu cú voltar ao normal. O buraco diminuíra, mas ainda continuava aberto. Apertei meu cú novamente, diversas vezes, até que ele voltasse para seu formato verdadeiro, pequeno e apertado. Recomposto, voltei-me para Rodrigues, que se encontrava estático olhando para a tela da televisão. Passei a acariciá-lo, mas ele continuava inerte como se nada estivesse acontecendo.

   Quis beijá-lo, mas ele desviou a boca e disse: Não sou chegado a essas viadices. Posso ao menos mexer no seu pau? Perguntei. É claro! Pode mexer o quanto quiser. Ele é todo seu! Respondeu. Até aquele momento, eu não havia sequer olhado para o caralho do sargento Rodrigues. Portanto, logo que eu pousei meus olhos sobre a peça, me impressionei. Levei minha mão até o cacete negro que pendia entre as pernas do meu amante, e o envolvi com os dedos. Assim que toquei naquela piroca, notei que ela era diferente de todas as outras que eu havia segurado até aquele dia. Apesar de estar mole, era volumosa, pesada e grossa, com um sacão onde se escondiam duas bolas enormes, quase do tamanho de bolas de Bilhar, tão pesadas quanto à pica dele.

   Movimentando o cacetão com uma das mãos e acariciando as bolas com a outra, fui notando que a pica não crescia, mas ficava cada vez mais dura e larga, enquanto o cabeção roxo começava a brilhar como se estivesse estufando a pele que o envolvia. Pasmo e abismado com o tamanho, a largura e a beleza da piroca que eu segurava, perguntei despretensiosamente: Você meteu tudo isso em mim? Claro! – respondeu ele como se fosse à coisa mais óbvia do mundo e minha pergunta sem sentido. Senti-me um tanto orgulhoso de ter conseguido receber aquele gigante de ébano por inteiro no rabo.

   Continuei punhetando o caralho de Rodrigues, enquanto ele permanecia assistindo o filme pornô que era exibido na televisão. Em silêncio, me curvei sobre o seu ventre e passei a chupar a tora negra. Primeiro tentei abocanhar a cabeçona que reluzia de tão rígida. O que não consegui totalmente, depois passou a lambê-la e engolir o que conseguia. Aos poucos, fui conseguindo comportar boa parte daquela pica maciça em minha boca, mas para isso minha boca ficava completamente arreganhada, ao ponto de doer o maxilar.

   Entusiasmado, passei a mover minha cabeça para cima e para baixo, ensaiando uma verdadeira mamada. Meu intento era conseguir sentir o caralhão na minha garganta, para isso eu não poupava esforços. Com uma voz autoritária, de quem está acostumado a comandar, o sargento ordenou que eu parasse de chupá-lo. Está machucando? Perguntei, achando que meu dente poderia estar ferindo-o. Não. Estou gostando, mau eu quero comer seu cú de novo! Respondeu. Agora. Fica de quatro ordenou. Obedeci, sem pestanejar. Rodrigues se posicionou atrás de mim e forçou a entrada da picona no meu cú. Não conseguiu. Abriu mais as minhas pernas e voltou a tentar. Não conseguiu de novo. Então ele exclamou: Caralho, seu cú fechou outra vez! Ele se levantou, pegou um copo com água, derramou sobre meu rabo e ensaboou minha bunda e meu cú, até que a espuma ficasse bem espessa, depois ele se reposicionou e, com a maestria de um violinista, fez a sua vara desaparecer dentro de mim.

 Eu me sentia totalmente preenchido. Rodrigues me segurava pela cintura e movia aquele pirocão para dentro e para fora como um verdadeiro artista do sexo. Eu estava delirando de tanto tesão, quando ele empurrou meu tronco contra o colchão, empinando ainda mais a minha bunda, se pôs de pé e passou a me foder com força, ao mesmo tempo em que não parava de elogiar meu cú: Puta que o pariu! Esse é o cú mais gostoso que eu já comi! Como é apertado! - Eu não conseguia dizer nada, só gemer de prazer.

   Estava tão excitado que a porra vazava do meu pau sem que eu sentisse. A cada estocada, um jato de porra me atingia o peito. Ele continuou-me fodendo sem cansar. Jogou-me de lado e meteu a pica outra vez por trás. Desta vez, ele não estava mais preocupado em ser delicado comigo, ao contrário, ele me fodia selvagemente, pouco se importando com o estrago que ele causava no meu rabo. Foi quando ele me posicionou de frente e me comeu no estilo frango-assado que eu fui ao nirvana. Gozei tanto que cheguei a perder os sentidos. Quando voltei a mim, Rodrigues havia me virado de bruços e comia meu cú do jeito que ele havia me comido na primeira vez. E outra vez sentiu aquele rio de esperma jorrar dentro do meu cú.

 Inesperadamente, Rodrigues, deitou-se ao meu lado e puxou sobre si, me aninhando em seus braços, sem me acariciar nem nada, apenas me abraçando, como se esperasse que eu me recompusesse. Ficamos daquele jeito, abraçados, por um tempo que para mim pareceu uma eternidade. Tanto que eu peguei no sono. Acordei de bruços, com o travesseiro embaixo do ventre, no momento exato em que a piroca de meu amante voltava a me preencher o rabo. Por mais um tempo, por mim indeterminado, por que eu já havia perdido completamente a noção de tempo e espaço, Rodrigues continuou a me foder o cú, até não mais aguentar e fazer sua porra ser despejada nas profundezas de minhas carnes, deixando seu corpo suado caírem sobre o meu.

  Quando nos levantamos para tomarmos banho, litros de esperma que haviam sido guardados no meu rabo, escorreram pelas minhas pernas. Aliás, minhas pernas estavam bambas. Eu mal conseguia permanecer de pé. Meu cú estava alargado e aberto. Nunca entendi bem o motivo, mas depois do banho, o sargento Rodrigues passou a me tratar como se eu fosse um estranho. Vestimo-nos e antes de sair ele me deu um dinheiro para eu pegar um taxi. Saímos do hotel e ele foi a uma direção e eu em outra. Meu cú estava ardido. Ainda sentia um resquício de porra escorrer de minhas entranhas. No caminho para casa, eu não conseguia para de pensar de como aquele homem me fodera tão gostoso e depois me desprezara. Não vi mais o sargento Rodrigues, mas a minha fome de sexo daquele domingo foi saciada como nunca!

docussim@hotmail.com

Torne-se um membro e comente
220920200000
230920201838
290920200000
rodape fixo Hotboys