Atendimento

CONTO ERÓTICO

imagem conto

Colgio interno inesquecvel

   Eu tinha chegado aquele dia no colégio interno. Meus pais me colocaram lá para melhorar meu comportamento. Estava na adolescência e só queria curtir e zoar. Entrei no meu quarto que era divido em seis garotos. Tudo estava normal até chegar à noite. A gente não tinha intimidade, mas os caras falavam em quem iria dormir comigo porque aquele pavilhão do colégio era mal-assombrado, dizendo que eu ia ter medo de dormir sozinho coisa e tal.

   Eu ri e disse que não acreditava naquilo e que eles estavam mentindo. Eu estava com 14 anos e já tinha brincado de troca-troca quando tinha 12 anos com um priminho meu, mas nada sério, a gente não chegou a fazer mais do que só se esfregar um no outro. Mas ficou a semente na minha mente. Naquela noite quando deu o sinal pra gente dormir (9:30h), fui para minha cama, 5 minutos depois apagaram as luzes (beliche parte de baixo) e logo peguei no cochilo.

   De repente acordo com Fabio, que eram dois anos mais velhos que eu, me agarrando e me enconchando eu na hora lutei, resisti e ele me falou: Calma! Sou eu. Estava preocupado se você não estava com medo de dormir sozinho com este corpinho lindinho, essa cocha lisa e essa sua bunda grande que você tem. - Sai fora cara! Para com isso eu não gosto disso, alguém pode ver e vai ficar feio pra mim, sai daqui! - Que nada! Esta todo mundo dormindo e é só fingir que esta dormindo e deixa o resto comigo.

   Isso me fez lembrar as sensações que sentina com meu priminho, isso mexeu com minha cabeça e me deu uma grande curiosidade em experimenta aquilo. Abandonei os perigos de minha reputação cair entre eles ou no colégio e eu simplesmente disse: Tá. Senti que ele começou a tremer de emoção/tesão/ansiedade. Ele era forte, já tinha até músculo em seus braços, seu peito tinha caixa formada, achei que ele tinha uma vida de trabalho pesado antes de chegar ali no colégio. Ele tinha poucos pelos no corpo. Todo mundo ali só dormia de cueca, logo ele começou a escorregar suas mãos pelo meu corpo, retirou o lençol, deitou sobre mim e se cobriu.

   Ficamos embaixo da coberta e eu estava com vergonha e coloquei minhas mãos no meu rosto, mesmo no escuro. O lugar era de alvenaria e tinha cortinas nas duas janelas, pouca luz entrava ali. Ficamos nisso bastante tempo até que ele resolveu progredir. Falou no meu ouvido: Aguenta aí. Vou tentar enfiar, se dor você fala que eu paro! Não falei nada, fiquei parado e isso foi um “sim” para ele. Passou saliva no meu buraquinho, depois no pau dele e começou a forçar.

   Eu, em pensamentos, prometi pra mim mesmo que não iria o mandar parar, mesmo que doesse. Ele forçou várias vezes, parava, dava um tempo, tentava, lubrificava mais... Eu com minha cueca nos pés apenas deixávamos rolar eu estava com o maior tesão da minha vida. Tudo tinha que ser em silencio pra não acordar os outros. Até que entrou um pedaço daquela rola que eu nem fazia ideia do tamanho. Demorou um pouco, retirou, passou mais saliva e veio de novo, entrou à cabeça, ele deitou sobre mim e disse no meu ouvido: - Você é muito gostoso. Isso vai ser demais cara! Foi enterrando ate que ofegar no meu pescoço dizendo que estava tudo dentro.

   Eu estava com lagrimas nos olhos, minhas mãos ainda no rosto ele percebeu e falou: - Calma meu anjinho! Não vou te fazer mal algum. Agora que você vai adorar, mas me diga a hora que não quiser mais que eu vou pra minha cama dormir, esta? Mais uma vez eu não disse nada, mas me senti mais seguro com aquelas palavras. Realmente foi demais ele colocava, tirava quase tudo, me alisava com a rola toda dentro de mim me dava beijinhos na nunca e eu sempre com minhas mãos no rosto.

   Comeu-me gostoso até quase amanhecer o dia, gozou umas várias vezes e depois foi dormir. No outro dia ele e eu agimos como se nada tivera acontecido. Fingíamos até pra nós mesmo, mas nossos olhares se cruzavam de vez enquanto durante o dia e ali existia uma satisfação e ansiedade de chegar a noite Dito e feito. À noite quando as luzes apagaram demorou pouco tempo senti se aproximar, levantar minha coberta e baixar minha cueca levei minhas mão no rosto e aconteceu de novo foi uma semana sem falhar um dia.

   Durante o dia nenhum comentário, nada dava pra perceber que existia algo entre a gente, mas quando as luzes se apagavam eu já me enchia de tesão. Sabia que aquele garoto de corpo grande, sem pelos só nas virilhas, dava pra sentir vinha me comer mais uma vez uma semana completada eu já estava acostumado. Naquele dia eu esperei com o maior tesão ele não veio, não veio me comer. Fique quase louco no outro dia ele me evitava e fui ao banheiro e comecei a chorar não estava entendendo direito o que estava acontecendo comigo.

   Estava confuso, sem que eu planejasse ele entra no banheiro e me vê daquele jeito: O que foi André? Porque você esta chorando? Nada disse eu. Ninguém chora por nada. Mas acho que sei. Ele estava certo e continuou - Hoje vai ser quase igual à noite, com surpresa A gente nunca tinha falado naquilo e eu coloquei minhas mãos no rosto e saí rápido dali. A noite estava chovendo fazendo um barulho muito forte lá fora e no telhado. Logo as luzes apagaram. Interessante quando juntos, todos nós, éramos seis pessoas no quarto, a gente conversava, contava piadas, falava sobre filmes, estudava pra provas no outro dia. Mas quando apagavam as luzes tudo mudava.

   Fiquei na espera já sem minha cueca, de bruços com as mãos no rosto embaixo do lençol, logo sinto uma mão me procurando, tirou o lençol e deitou sobre mim... mas fiquei assustado, era um corpo diferente, alguém mais peludo, as mão trabalhavam em mim diferente dos últimos dias. Aí então entendi, ele tinha contado pra outro do quarto e eu nem sabia quem eram apenas forcei minha mão no rosto e deixei acontecer, logo ouvi: E também estou sabendo do seu segredo e vim conferi.

   Mas fique tranquilo, ninguém aqui esta a fim de perder você. O Fábio passou você pra mim esta semana porque este cansado um pouco. Semana que vem eu descanso. e aí vem o Paulo. Já sabem quem eu sou né? Fiquei calado mas sabia era Fernando, o mais arrogante do quarto, Fabio já tinha dito como era, apenas me comer era isso que eu fazia, dava, não chupava, não falava, não reclamava ele era mais selvagem que o Fabio, fazia eu sentir dores as vezes e isso dava mais tesão nele em outra coisa ele era diferente de Fabio, gozava rápido, isso era bom pra mim eu também gozava, as vezes com a rola na minha bunda, outras vezes depois que ficava sozinho na cama. Mas satisfeito.

   Passou a semana do Fernando fiquei um dia sem ninguém de novo aí a noite esperava ansioso por Paulo. Paulo tinha dezoito anos, já parecia um homem mesmo, tinha autoridade no quarto, todo o respeitavam, mas era brincalhão e sempre estava tirando sarro de alguém isso me deu medo de ser zoado por ele no outro dia, mas sabia de a uma coisa, eles não queriam me perder eu era carne nova, tinha corpo de menino e dava pra eles parecia que existia um código de honra entre eles, ninguém falava Logo chega Paulo meio devagar eu esperava também sem cueca, passei a dormir sem cueca dali pra frente.

   Paulo me abraçou por traz e notou o meu estado e me disse: Achei que não era verdade, fiquei com medo de você não ser o que eles falaram você disfarça muito bem durante o dia, nem parece. Mas vamos lá antes me diz por que você tampa rosto! Não respondi, má acho que ele entendeu eu tinha vergonha do que fazia, gostava, mas tinha vergonha mesmo. Paulo estava deitado sobre mim de cueca eu sentia algo volumoso na minha bunda, mais volumoso que os outros que já tinham me tido.

   Ele se livrou da cueca e foi lubrificando e me penetrou bem lento ele curtia enfiar, não tinha pressa, apenas fazia, bem de vagar, enterrava quase as bolas, ele tinha o pênis maior que todos até àquela hora, mas aguentei e me deliciei uma semana e descansei um dia. No outro dia foi à vez do Gabriel um menino um ano mais velho que eu, ele tinha 15 anos e já sabia, só teve que esperar a vez dele. Eu durante o dia, que ia ser dele, notava como olhava pra mim, como me comia com os olhos, varias vezes durante o dia ele se aproximou de mim e deu um sorriso de satisfação e outra ocasião no mesmo dia ele falou: - Cara! Nem estou acreditando.

   Eu o ignorei e fiz cara de quem não tinha entendido e saí, ele ficou confuso. Chego à noite, eu também curioso pra conhecer Gabriel, eu achava ele muito bonito, tinha pele clara, braços forte, mas se mostrava ser muito inocente, ele tinha cara de menino assustado não tinha muita coisa na cabeça, tinha dificuldade de aprender, eu ajudava muito ele em matemática, mas nunca, em momento algum a gente comentava o que acontecia durante a noite, não só com ele, mas todos eram como se não acontecesse nada. Apagaram as luzes era apagada numa chave geral na secretaria nem dois minutos já chega ele lá, sorrindo baixinho e já se deitou comigo.

   Falou que estava ficando maluco porque as luzes demoraram tanto pra apagar. Eu estava sem cueca e ele tb veio sem cueca pra minha cama. Deitou encima de mim, lubrificou o pinto com saliva e enfiou deu umas seis bombadas e gozou senti que ele tinha gozado bastante mesmo ele gemia na minha orelha e grudava na minha cintura terminou, tirou e foi pra sua cama.

   Muito rápido, não gostei, fiquei insatisfeito com aquilo ele não levou nem dois minutos eu estava acostumado a dar mais de meia hora zangado fui dormi mal pego no sono ele volta e fala: Desculpa Junior, eu estava com muito tesão, por isso fui rápido, mas você quer que eu continue? Balancei a cabeça que não, já q ele alisava minha nuca logo entendeu ficou parado e começou a chorar baixinho confesso tive dó dele. Ele estava se descobrindo e estava louco por sexo. Deixa só um pouquinho? Com a mão na minha nuca pra saber a minha resposta.

   Eu estava pelado, de bunda pra cima, com um menino chorando pra me comer esperei um pouco e fiz sim com a cabeça. Ele estremeceu e fui me abraçando por traz. Eu te amo. Disse. Comeu-me uns 10 minutos e gozou não tirou, senti o pau de ele crescer novamente e ele voltou a bombear mais uns dez minutos e ele gozou de novo. Posso voltar mais tarde? Perguntou. Afirmei com a cabeça e ele saiu ele moleque tem um fogo! Pensei. Lá pela madrugada o sinto me acordando me comeu de novo, continua em pessoal Me deu um beijo na nuca e disse: - Eu te amo mesmo. Foi dormir.

   No outro dia luz apagada, um tremendo temporal ele veio e deitou do meu lado e falou: Eu te amo Junior me chupa? Eu estou louco cara pra saber como é ter o pinto chupado. Eu já tinha chupado um a força, mas pedindo e dizendo que me amava desci até seu pau e chupei como Fabio tinha me ensinado. O menino tremia encolhia as pernas, segurava minha cabeça, passava a mão no meus lábios pra ver se estava mesmo com o pinto dele na boca logo gozou ele gozava bastante. Eu engoli. Limpei o pinto dele e deitei de bundinha pra cima. Ele foi deitar na cama dele, mas sabia que voltaria. Foram seis dias sem dormir direito. Mas com muito prazer.

   Descansei um dia, mas chupei uma vez ainda pro Gabriel. Chegou à vez de repetir com o Fabio, já estava com saudade daquele corpo encima de mim. Ele veio sim me satisfazer e disse que estava demorando muito pra voltar a me comer No fim disse: - gostou? - Fiz sim com a cabeça e ele já começou a lubrificar e enfiar em mim no dia seguinte foi Gabriel que comentou que estava louco pra chegar a vez dele. Toda vez que a gente transava ele dizia que me amava. No outro dia fui o Paulo que me comia sem pressa e ia fundo.

   Eu sentia um menino acolhido por ele, me trazia segurança e sabia me dar prazer. Por fim foi à vez do Fernando que sempre se fazia superior a mim comia, gozava rápido e ficava-me abolinando. Sempre falando que eu sabia dar e ele era mestre em comer, esses papos de arrogante. Conto o resto depois. 

Torne-se um membro e comente