Atendimento

CONTO ERÓTICO

imagem conto

Aprendi A Ser Feliz

Na minha adolescência, passamos por um período de muita amargura, primeiro devido ao acidente sofrido pelo meu pai que o deixou por seis meses hospitalizados e mais três meses em repouso em casa. Nesse período eu comecei a trabalhar para ajudar na manutenção da casa em uma oficina mecânica proximo da minha casa. O dono da oficina, seu Joaquim, todos o chamavam de Quinzinho, devido sua estatura media e meio atarracadinho, safado como era, aproveitou-se da minha inocência e começou a tramar um plano, que eu inocente e necessitando do emprego fui caindo. Sempre pedia que eu fosse ao escritório para atualizar suas anotações e depois ficava atraz e começava a pedir para que eu anotasse isso assim e aquilo de outro jeito e enquanto falava me espremia contra a escrivaninha, encoxando-me fazendo eu muitas vezes perceber algo duro roçar minha bunda. Quando tentava sair dali ele me segurava e falava que gostaria de ensinar-me todos os macetes da profissão mas para isso eu teria que colaborar e poderia ate que ganhar um aumento etc. e tal, e que não comentasse com ninguém, sobre o que eu via e ouvia ali no escritório tudo era segredo. Na minha santa ignorância eu achava que ele estava realmente depositando confiança em mim e eu fazia tudo para corresponder e quem sabe vir a ser um bom funcionário. As encoxadas continuavam eu achava que não existia maldade nisso já nem ligava mais, muitas vezes eu estava sentado e quando ele chegava pedia para que eu me levantasse, ele encostava, e no fundo eu gostava, cheguei ate a comentar que tinha algo me cutucando. Certa vez ele veio com as mãos sujas de graxa e segurando uma peça e ao cutucar minha bunda reclamei e ele pediu que eu abrisse sua calça e ajeitasse seu toco por que estava com as mãos ocupadas e sujas. Ao abrir notei que ele estava sem cueca e aquele belo pau acabou saindo, no momento fiquei espantado e entusiasmado, nunca tinha visto nem pegado num pau de adulto, mas ele pediu que eu o pegasse e colocasse para dentro de novo e o ajeitasse de lado. Meio sem jeito, com vergonha e ao mesmo tempo querendo, agarrei aquela verga dura e ao tentar dobrá-la para guardá-la ele suspirou fundo e pediu que eu ficasse mais um pouquinho com ela na mão. Obedeci meu patrão e segurando comecei a fazer o que ele mandava, não sei por que, mas gostei de pega-la, ele pedia, aperta um pouquinho, agora puxa para traz e para frente, isso faz de novo, hummmm gostoso, aperta de novo, nossa como você tem mãos suaves, me deixa louco sabe, alisa ele alisa, isso agora aperta e puxa para traz e para frente, mais rápido, vai, isso, assim que eu gosto de ver você fazer, você é muito obediente gosto muito de você. Você seria capaz de fazer isso todos os dias para mim, gostei do seu jeito meigo de pega-lo. Balancei a cabeça confirmando afinal eu tinha gostado de apertá-lo, amanha faremos de novo, combinado? Beleza então. No final do dia ao sair ele me chama e coloca no bolso da minha camisa um dinheiro que só em casa fui ver quanto era, e fiquei entusiasmado com o que ganhei pelo favor que eu fizera. Dei o dinheiro para minha mãe e falei que foi gorjeta. Nos dias seguintes tornei a fazer-lhe o favor e a cada dia ele aumentava mais seus pedidos, e eu gostava cada vez mais de pega-la e aperta-la, ate que pediu para eu sentir o cheiro e quando eu estava encostando o rosto ele o enfiou em minha boca e pediu para eu chupá-lo e sentir o gosto que ele tinha, chupei e gostei. Um dia ao punheta-lo fui atingido no rosto pela descarga de leite que ele jorrou, tive que lavar meu rosto e limpar seu pau, ele falou que isso não iria mais acontecer por que o pau só joga leite quando esta dentro do cuzinho. Você nunca deu o cuzinho? Nunca experimentou enfiar um pinto igual a esse no seu rabinho? Esta perdendo o melhor da vida qualquer dia quando você quiser eu poderei te ensinar você vai gostar e se sentir melhor, você vai ver! Nos dias seguintes nada aconteceu, nem as encoxadas, eu comecei a sentir falta em pega-lo, das enrabadas, fiquei com a imagem na cabeça daquela pica dura e a frase no pensamento. (Você nunca deu o cuzinho? Nunca experimentou enfiar um pinto igual a esse no seu rabinho? Esta perdendo o melhor da vida). Comecei então a satisfazer-me enfiando o dedo no meu cu quando tomava banho, para sentir algum prazer e gostei do que senti, depois passei a colocar dois dedos e gostava de massageá-lo. No final de semana quando eu saia, seu Joaquim me chama e pergunta se eu gostaria de trabalhar no domingo para colocarmos em dia sua contabilidade e se desse tempo e eu aceita-se ele me ensinaria o que eu ainda não sabia, ser feliz. Me entusiasmei e disse que viria, pois já estava gostando de pegar e chupar aquela rola, não tinha nada a fazer e um dinheirinho a mais ajudaria em muito em casa ele sempre me dava algum dinheiro. Domingo nove horas eu chego e ele já me esperava entramos trancamos a porta e fomos para o escritório, que fica no mezanino. Estava em pé arrumando os papeis sobre a escrivaninha quando ele se encosta-se a mim e percebo que sua vara já dura começa a cutucar-me a bunda, fiquei paralizado quando a senti,ele me abraça e fala no meu ouvido se eu gostaria que ele me ensinasse a ser feliz, recebendo sua vara no meu cuzinho. Fiquei apavorado, achando que aquela super pica grossa não caberia em meu cuzinho, tremi com medo mas balancei a cabeça afirmando, pediu que eu tirasse a roupa, tirei, ficamos pelados e comecei a segurar seu pau, e a apertá-lo como ele gostava. Ele passava a mão em todo o meu corpo e alisava a minha bunda deixando-me mais excitado e assustado ainda, depois começou a mordê-la, enfiou sua língua no meu rego e cutucou meu cuzinho levando-me a loucura. Nunca tinha sentido esse prazer, fui relaxando e gostando, me arreganhei todo, estava no paraiso, obedecendo a suas ordens e ficando cada vez mais excitado, ate que senti ele enfiar um dedo lambuzado de creme no meu cuzinho e massageava, rodava o dedo dando-me um prazer enorme. Logo forçou mais um pouco e senti que foram dois dedos que rodavam no meu cuzinho alargando-o mais ainda, senti um calafrio percorreu meu corpo. Eu estava com as pernas bem aberta, com os braços apoiados sobre a escrivaninha e a bundinha bem arrebitada, ele atraz ajoelhado mordia minha bunda e os dedos rodopiando, de repente tirou os dedos e esfregou a cabeça do pau no meu buraquinho, senti um calor e fiquei apavorado, quis sair dali, mas ele me acalmou e voltou a enterrar os dedos gostei e relaxei, os dedos eram gostosos. Massageou e rodopiou os dedos um pouco, depois rapidamente tirou os dedos e colocou a cabeça empurrou e segurou a verga encostada no meu orifício que forçado foi abrindo caminho provocando uma dor enorme. Reclamei da dor e ele disse que logo passaria e empurrou mais ainda, sentia que meu cu iria partir ao meio, mas percebi que tinha entrado a cabeça daquele pau que por muitas vezes eu o tinha punhetado. Ele ficou um tempo paralisado enquanto me alisava e apertava meu pintinho que estava mole e a dor foi suavizando, comecei a mexer-me e ele foi empurrando o resto fazendo o movimento de vai e vem bem devagar, a vara deslisava massageava meu buraquinho e eu ia a loucura, ate chegar ao fundo do meu cuzinho. Ficou nesse movimento por alguns minutos, eu gostando do que estava sentindo, depois começou a acelerar, a forçar mais ainda seu pau em minha bunda, meu cu estava dolorido mas, estava gostoso demais e logo senti o derramar do leite quentinho no meu intestino. Fui ao banheiro me lavei, estava com o cuzinho piscando, mas gostei do que senti, ficamos um tempo pelados arrumando os papeis ele me elogiava e passava a mão em minha bunda, atolava o dedo, me encoxava, foi ficando de pau duro e eu com muita vontade de novo, pediu que eu sentasse em seu colo, o que fiz, ele encaixou sua verga no meio de minhas pernas e pediu que eu brincasse com a ponta que estava próximo da minha barriga. Quanto mais eu brincava mais ela endurecia, depois ele pediu que o chupasse como se fosse um picolé, comecei meio receioso, mas depois já o chupava com gula sentindo o seu dedo rodopiar no meu cuzinho. Lambuzou meu rego com creme e puxou-me para que eu sentasse em seu pau, ajudei a direcioná-lo e quando a cabeça entrou, senti tontura, ele forçou-me para baixo de uma só vez, acabei sentado em suas pernas com toda aquela vara atolada. Cavalguei uns bons minutos, sob suas ordens, depois ele me abraçou e eu pude sentir as pulsações e as ejaculações que seu pau dava dentro do meu tunelzinho. Fiquei sentado sentindo as ultimas pulsações e o leite escorrer pelas pernas, fui me lavar. Voltei limpei aquele pau que tinha me dado alegria, chupei-o um pouco mesmo mole como estava, e comecei a apertá-lo a sentir suas bolas e a receber os dedos rodopiando novamente meu cuzinho ainda dolorido, mas querendo ser enrabado de novo. Ficamos a manha inteira transando e chupando, sendo chupado no cuzinho e enrabado, adorei a experiencia e fiquei viciado, todos os dias eu queria e o Quinzinho me atendia. Durante todos os meses que ali trabalhei ele usou e abusou de minha bundinha todos os dias e quase todos os domingos trabalhavamos no periodo da manha para atualizarmos os arquivos e foi assim que aprendi a ser feliz

Torne-se um membro e comente
rodape fixo Hotboys