Atendimento

CONTO ERÓTICO

imagem conto

Ensinando o Cunhado

A história que vou contar aconteceu há uns 6 anos atrás, na época eu tinha 21 anos e tinha acabado de terminar o curso de desenho industrial, namorava uma menina de 20 anos que tinha um irmão de 18.

         Ele tinha começado a fazer o mesmo curso que eu e estava tendo dificuldades com as matérias. Minha namorada pediu para que eu o ajudasse e combinamos de ele ir até minha casa depois da aula. Ele é um branquinho, olhos claros, 1,78 e uns 70 kg, bem saradinho, porém muito tímido.

         Quando ele chegou em casa começamos a estudar mas logo começamos a falar sobre outras coisas. Perguntei a ele sobre a sua turma, seus amigos, até que começamos a falar de sexo. Ele estava cheio de dúvidas, pois estava ficando com uma menina mas ainda era virgem e não sabia o que fazer.

         Então chamei ele pro meu quarto e comecei a dar uma aulinha de sacanagem pra ele. Coloquei alguns vídeos pra ele assistir, primeiro hétero, depois com lésbicas, travestis e por fins alguns só com gays.

         Ele ficou meio constrangido, mas estava gostando. Notei seu pau fazer volume na calça, foi quando eu disse que se ele quisesse bater uma punheta estava tudo bem. Ele ficou com vergonha, e disse que tinha que ir embora. Eu não forcei a barra, mas combinamos de estudar no dia seguinte.

         Logo que ele saiu, bati uma louca punheta pensando nele. No outro dia ele chegou ainda envergonhado e eu tratei logo de distraí-lo um pouco comentando sobre um jogo de futebol, e ele logo já estava descontraído. Estudamos um pouco, mas logo ele começou a me perguntar sobre os filmes, queria entender o que ainda não conhecia, então fomos pro quarto novamente.

         Desta vez pus só filmes gays e notei seu pau subir logo no primeiro. Perguntei se ele queria bater uma punheta mas ele recusou, então perguntei se ele se importava se eu batesse uma. Ele não relutou, tirei para fora e comecei a me masturbar na frente dele, ele gostou e devagarzinho começou a se masturbar também.

         Gozei logo que vi aquela vara morena e grossa na minha frente. Quando ele ia gozar, saiu correndo para o banheiro com vergonha, mas tudo bem já estava conseguindo muitos progressos.

         Ficamos nessa mais alguns dias, com o tempo ele já se soltava mais, até que gozou bem na minha frente. Fiquei cheio de tesão ao ver aquela vara dura jorrar porra por todo lado no meu quarto. Foi ai que decidi dar o próximo passo.

         Ele chegou no outro dia e fomos direto pro quarto, já nem estudávamos mais, aluguei um vídeo sobre um cara que estava descobrindo seu lado gay. Começamos a assistir deitados na cama e logo ele já estava de pau duro. Foi então que eu perguntei se ele já tinha usado uma camisinha. Ele assustado revelou que não. Perguntei se gostaria de aprender a colocar. Ele ficou meio receoso mas depois de uma conversinha carinhosa ele aceitou.

         Fui na gaveta e peguei um monte de camisinhas e pedi pra ele escolher uma. Como sua vara tinha amolecido, mandei-o sentar na poltrona e me ajoelhei na sua frente. Comecei a explicar e coloquei levemente a mão naquele mastro delicioso. Ele tremeu todinho, ela pulou umas três vezes e ficou rija como aço. Carinhosamente dei umas bombadas nela e comecei a pôr a camisinha, tudo isso explicado e olhando no fundo dos olhos dele - minha vontade era mamar ele naquela hora, mas me contive.

         Terminei de colocar e falei pra ele tirar uma. Ele meio sem jeito tocou uma e gozou enchendo a camisinha de porra. Ensinei-o a tirar sem derramar e fiz que jogasse ela no lixo. Voltei pro quarto e ele já vestido disse que já tinha que ir mas que voltaria no dia seguinte.

         Foi só ele fechar a porta do apartamento que corri e bebi aquela porra todinha, gozei sem pegar no pau de tanto tesão. Pensei: amanhã é o dia.

         Ele chegou e fomos pro quarto. Perguntei se ele tinha gostado de ontem. Ele disse que não tinha dormido direito e que estava confuso pois não sentira isso nem pela menina que ele estava a fim. Eu o acalmei dizendo que era assim mesmo que não era preciso ficar preocupado.

         Sentamos na cama e comecei conversar com ele. Perguntei se alguém já tinha segurado na vara dele como eu fiz. Ele confessou ser virgem. Meu cu piscou na hora, mas segurei a onda. Perguntei se ele queria tentar de novo. Ele meio envergonhado disse que sim.

         Mandei-o deitar. Ele obedeceu. Peguei um lenço e disse que ele vendasse os olhos e imaginasse que estivesse com a tal garota. Ele topou.

         Baixei vagarosamente seu short e deixei a mostra o objeto do meu desejo. Comecei a acariciá-lo e não demorou muito ele já estava como uma rocha. Cai de boca! Chupei gostoso, enquanto ele tremia todinho, era uma delícia.

         Quando engolia então, ele gritava de tanto tesão. Quando ele gozou, suguei sua porra todinha. Ele urrou como um leão e disse - Eu amo você! Assustei-me mas acho que ele pensava nela. Tudo bem, ele se recompôs e voltamos a conversar. Descaradamente, perguntei se ele tinha gostado, mas ele não respondeu, apenas sorriu. Disse a ele que não se preocupasse pois seria o nosso segredo. Ele apenas sorriu. Perguntei se ele viria no outro dia. Novamente apenas um sorriso.

         Quando estava indo embora, chegou perto de mim e disse baixinho:

         - Amor, amanhã eu volto... – E me deu um beijo no rosto.

         Quer saber o que aconteceu no outro dia? Isso é outra história e outro dia eu conto

Torne-se um membro e comente
rodape fixo Hotboys