imagem contoCONTO

Não faz muito tempo que isso aconteceu, claro que vou trocar os nomes, não quero complicar a minha vida e a de ninguém.

Sou branco, tenho 1,80m de altura, 79 kg, um corpo proporcional. Sempre tive minhas aventuras com muita discrição, sou muito conhecido na cidade onde moro.

Sou sócio de um escritório de advocacia, o filho do meu sócio veio estagiar no escritório, já estava quase se formando, é um rapaz de 23 anos. Sem graça, mais muito inteligente, bom papo, sempre pronto a fazer qualquer serviço que pedíamos, não tinha nenhuma regalia, trabalhava diretamente comigo, a vida dele era estudar, trabalhar e ficar com a noiva, que por sinal tinha uma cara de safada, os pais não faziam muito gosto, estava na cara que ela tinha interesse na posição financeira da família, ele apaixonado já queria casar, mais como nunca ele conversou sobre o assunto, ficava na minha, não tinha nada a ver com isso.

Ganhamos uma causa muito importante, o pessoal ficou muito feliz, teria uma bonificação para todos, na sexta feira seguinte levamos os funcionários para comemorar, fomos para um restaurante, Lucas foi com a noiva, com um vestido curto e decotado, a bebida rolava solta, uma hora ele foi ao banheiro e deu uma olhada para a mesa onde estava dois rapazes, muito bonitos, pensei que cara de pau, me distrai conversando com o pessoal, o pessoal não ia embora tão cedo, como estava cansado da semana, tive muito trabalho, conversei com o dono do restaurante que é nosso cliente que no dia seguinte passaria para acerta as contas.

Meu sócio aproveitou e também foi embora com a esposa. Tomei um banho e cai na cama, já era 2 horas da manhã. Acordei assustado com o toque do interfone as 5 horas, era o porteiro.

- Dr., tem um rapaz querendo falar com o senhor. Perguntei quem era, e o nome dele é Lucas.

Não entendi nada, será que tinha acontecido alguma coisa?

- Deixa subir. – Respondi.

- Dr., ele tá muito bêbado. Não consegue nem ficar em pé, nem sei como veio dirigindo.

- Coloca no elevador, aperta o meu andar que eu o pego na porta.

Vesti uma cueca samba canção. Abri a porta do elevador ele estava sentado no chão, muito bêbado. Levei para dentro, coloquei no sofá.

- O que houve? – Perguntei.

- Peguei aquela vagabunda beijando um cara no estacionamento, disse que não sou homem para ela e foi embora.

- Que droga.

Deixei ele se acalmar. Liguei para o pai dele e falei o que tinha acontecido e que ele estava tudo bem com ele na minha casa. Fui tentar colocar ele para dormir, mas ele não conseguia ficar em pé, foi tentar tirar a roupa e quase caiu, comecei a ajudá-lo a tirar a roupa. Toda hora ele se apoiava em mim, tirei o paletó dele e camisa. Ele era liso, sem um pelo. Tirei as calças e deixei ele de cueca, ajudei a ir até o outro quarto, mas quando fui colocá-lo na cama, eu escorreguei e acabei caindo por cima dele na cama.

O meu corpo estava por cima dele e ele me segurando, comecei a ficar de pau duro, já tinha tempo que não trepava com ninguém, Lucas parecia que dormia e não me largava, meu pau estava ficando duro e saindo da cueca, bem no meio das coxas dele.

Tentei me desvencilhar, mas nada dele me largar, se mexia e meu pau cada vez ficando mais duro. Tinha que parar, estava perdendo o controle.

Consegui me soltar, ele gemeu e abriu os olhos assustado.

- Tenho que ir ao banheiro! – Disse ele e tentou levantar e quase caiu.

Eu o ajudei a ir ao banheiro. Quando ele tirou a cueca para mijar, e eu vi sua bunda branca e lisa, meu pau começou a ficar duro de novo. Ele se apoiou na parede, então deu para ver aquele cuzinho rosado, fiquei com o pau muito duro, não dava para esconder, meus 23cm saía pela perna da cueca.

Ele deu uma cambaleada e quase caiu. Peguei ele por trás para tentar ajudar, senti o calor daquela bunda encostando em mim e isso me deixou todo melado. Ele disse que tinha que tomar um banho, entrou no box, fui ajudar, olhei para o pau todo encolhido e branquinho.

- Deixa que eu te ajudo, Lucas. – Disse entrando junto com ele no box.

Lavei os cabelos dele, peguei o sabonete e fui ensaboando o peito sem um pelo, desci pela barriga lisa, continuei passando o sabonete pelos pentelhos até chegar ao pau. Comecei a lavar o pau de Lucas. Ele não disse nada, baixou a cabeça e olhou para o meu pau, que estava duro e marcado pela cueca molhado. Pedi para ele virar de costas. Lavei as costas e desci para lavar aquela bundinha branquinha, fui passando a mão com muito carinho, passei o dedo no cuzinho dele, ouvi um gemido baixinho. Então, ele virou de frente, me abraçou, o pau dele estava duro, a bebedeira estava acabando. Lucas estava com tesão, peguei ele molhado mesmo e levei para o meu quarto, coloquei ele na cama, comecei a chupar o pau dele, tinha uns 17 cm.

Fiquei chupando um tempo, chupei o saco até chegar no cu, quando encostei a língua ele gemeu, fui enfiando a língua cada vez mais fundo e ele só gemia, levantei as pernas dele encostei a cabeça no cuzinho dele. Ele me olhou e disse:

- Eu nunca fiz isso, estou com medo, mas está me dando um tesão que nunca senti. Meu pau nunca esteve tão duro, pela primeira vez estou todo melado.

- Se você quiser eu paro – Falei.

- Não, assim está bom.

Peguei um gel e passei bastante no cuzinho dele. Coloquei um pouco do meu pau no cuzinho dele e ele gemeu alto. Coloquei quase meio tubo de gel na cabeça do meu pau, encostei e fui empurrando devagarinho. Não entrava, ele estava travando, comecei a tocar um punheta nele, quando ele ficou relaxado, empurrei e a cabeça entrou. Ele deu um grito e tentou fugir.

- Está doendo muito. Para, não vou aguentar.

Ele estava com cara de dor. Eu fiquei parado deixando ele se acostumar. Quando senti que ele relaxou, fui empurrando. Ele reclamava que estava doendo, mas não tentava fugir. Já tinha colocado a metade, continuei a tocar para ele que estava com o pau duro que nem ferro.

Quando senti o cu dele apertando o meu pau, acelerei a punheta, vou gozar, empurrei o pau todo dentro daquele cuzinho virgem, ele gemeu alto e começou a gozar feito um louco, a porra bateu no rosto dele, não parava de gozar, nunca vi uma pessoa gozar tanto, ficou todo mole, fui tirando o pau devagar, quando saiu a cabeça ele gemeu, meu pau continuava duro. Eu não tinha gozado, Lucas olhou e disse:

- Quando senti esse pau enorme todo dentro de mim perdi o controle, nunca tinha gozado tanto e você ainda está de pau duro. Que delícia!

Levantei e fui para o banheiro, tinha que lavar o pau, pois tinha ido muito fundo dentro de Lucas.

Estava tomando banho quando ele entrou, pegou o sabonete da minha mão e começou a a lavar meu pau.

- Hoje eu quero experimentar tudo. Não sei se vou ter coragem amanhã!

Então, ele se abaixou e começou a chupar meu pau. Meio sem jeito, mas estava bom. Deixei ele fazer da maneira dele, eu estava gostando de ser o primeiro.

Ele ficou uns 10 minutos e eu queira mais. Levantei ele, virei ele de costas, encostei o pau no cu dele, que ainda estava com gel, fui empurrando sem parar, ele gemia dizia que estava doendo e eu não parava.

- Já tá tudo dentro. Eu estou sentindo seus pentelhos na minha bunda.

Quando segurei o pau dele, estava duro de novo. Comecei a tirar e colocar, fui metendo cada vez mais rápido.

- Você vai gozar? Estou sentindo seu pau ficar maior dentro de mim.

Comecei a gozar e sentia o cu dele apertar meu pau. Estávamos gozando junto. Fiquei parado, o pau foi amolecendo e saindo, minha porra escoria de dentro dele, ele virou e me deu um beijo na boca.

- Nossa, essa foi a melhor trepada da minha vida, mas isso não vai mais acontecer. Sou homem!

- Tudo bem.

Fomos dormir. Quando acordei, o Lucas já tinha ido embora.

Nos encontramos no escritório e foi como se nada tivesse acontecido. No meio da semana tive que ficar até mais tarde no trabalho. Já tinha ido todo mundo embora, Lucas entrou na sala e me abraçou:

- Ainda estou com a bunda dolorida. Toda vez que penso no que aconteceu fico de pau duro.

Dei um beijo nele, virei ele de costas e debruçado sobre a mesa, baixei as calças junto com a cueca, coloquei o pau para fora e passei um pouco de cuspe. Encostei na bunda dele e empurrei tudo. Lucas gemeu. Era tanto tesão que gozamos rápido, eu no cuzinho dele e ele na minha mesa.

Já trepamos em todos os lugares do escritório, sempre temos alguma coisa para resolver depois da hora, fim de semana na minha casa.

Fiquei viciado na bunda dele e ele no meu pau.

Torne-se um membro e comente