Atendimento

CONTO ERÓTICO

imagem conto

Minha primeira vez

Hoje estava relembrando em como foi a minha primeira vez, há alguns anos atrás meu pai arrumou emprego em uma marcenaria do bairro, o local era pequeno tinha ao todo oito funcionários, sempre achei o chefe do meu pai bem gostoso, ele tinha mais ou menos 1, 80 de altura, corpo em forma, peito peludo, olhos e cabelos castanhos, uma delícia!
Em um sábado, meu pai me chamou para ir no bar com ele porque teria um churrasco lá, como eu adoro carne eu fui sem pensar, chegando no bar estavam os amigos do meu pai e o chefe dele, o Beto. Eles ficaram jogando sinuca e bebendo, como estava bem quente o Beto tirou a camisa e eu logo dei uma secada naquele peito forte e peludo, acho que ele percebeu. Num determinado momento ele foi ao banheiro "tirar água do joelho" e óbviu eu fui atrás com o pretexto de lavar as mãos. No banheiro fiquei lavando as mãos e olhando ele mijar do espelho, o pau dele era uma delícia, daqueles bem grossos, veiudos e pentelhudos, gamei na vara, ele virou-se para mim e percebeu que eu fitava aquele caralho, disfarcei e sai do banheiro. 
No final da tarde ele me chamou no canto para conversar e disse. 
- Eu percebi que você passou a tarde me olhando, e no banheiro ficou olhando meu caralho, tu é viado rapaz? 
Na hora eu gelei, neguei e disse que era impressão dele, daí ele falou
- Vou ter uma conversa séria com o seu pai, e dizer que o filho dele queima rosca. 
Eu implorei para ele não fazer isso, então ele disse que queria o meu bem e era para no dia seguinte eu passar na casa dele para conversar, pois eu devia estar confuso, na hora aceitei, era melhor do que ele contar para o meu pai. 
No dia seguinte, após o almoço de domingo falei para os meus pais que daria uma volta de bike, sai e fui na casa do Beto, toquei a campainha e imaginei que a esposa dele, a Vivian (uma perua ruiva e brega) que me atenderia, mas não, foi o próprio Beto que me recebeu no portão, novamente sem camisa, só usando um shorts estilo samba canção. 
Ele me convidou para entrar e me sentar na sala, me ofereceu um refrigerante e eu aceitei, foi até a cozinha, me trouxe a latinha, sentou-se na minha frente e começou a falar. 
- Então rapaz, você é viadinho mesmo? 
- Não seu Beto, foi uma confusão, juro. 
- Ok, vamos ver como ficam as coisas...
Foi até a TV e ligou em um canal pornô da TV a cabo, cujo ator masturbava uma mulher. 
Eu via a cena meio assustado e sem saber o que fazer, ele me questionou se eu gostava e eu fiquei quieto. Na cena seguinte o cara tirou o pau pra fora e a mulher começou a chupar o pinto dele, na hora tive uma ereção e o Seu Beto viu. Fiquei sem graça e tentei disfarçar mas não consegui. 
O Beto sentou-se numa poltrona ao lado do sofá onde eu estava e começou a amassar o pau por cima do shorts vendo o filme, aquilo me deu um tesão danado. Depois de um tempo ele tirou o pau pra fora e começou a se masturbar, QUE TESÃO! Comecei a olhar aquela cena e estava com o pau babando. 
Ele olhou para mim e fez sinal para eu ir lá mamá-lo, e obviu que eu fui. Senti aquele cacete enchendo minha boca, um leve gosto de suor de macho misturado a urina, de certo ele devia ter acabado de urinar. 
Estava em extase com aquilo tudo, dai ele me jogou no chão na sala e rancou meu shorts com certa violência, me colocou de bruços e rasgou a minha cueca, me assustei com aquilo mas ele fez gesto para eu ficar quieto, e eu fiquei. 
Ele começou a lamber meu cu e dizer. 
- Eu sabia que você era viado, veio até com o cuzinho cheiroso para receber pica hoje.
Eu não tinha contado para ele que ainda era virgem, mas ele devia supor. 
Ele cuspiu no meu cu e logo começou a enfiar aquela jeba no meu rabo (na época era bobinho e nem me ligava na importância do preservativo). Na hora senti meu cu arder muito e pedi para ele parar, mas ele apenas tapou minha boca para abafar os meus gemidos de dor e continuou metendo, senti as bolas deles tocarem minha bunda, depois ele começou a enfiar e tirar, e eu no chão gemendo e escorrendo lágrimas querendo que aquilo parasse. 
Depois de um tempo sendo fudido eu nem sentia mais dor, apenas um tesão, nesse momento ele percebeu que já não estava mais com dor e disse
- Ta gostando de dar o cu para o seu macho né vadia? 
eu fiz sinal afirmativo com a cabeça, ele parou de meter, tirou o pau do meu cu e colocou na minha boca, gozou feito um cavalo, era muita porra, daquelas bem grossas, começou a uivar de tesão e falou para eu engolir tudinho, e assim eu fiz, depois ele mandou para eu continuar chupando seu pau e deixá-lo limpinho, eu continuei chupando e senti ele amolecer na minha boca. 
Ele colocou o shorts novamente e falou para eu ir embora, disse que não contaria nada para o meu pai. No meio do caminho para casa parei de andar de bicicleta e fui a pé, pois meu cu estava dolorido demais.
Depois de uns anos dessa experiência eu reencontrei ele num bar gay sozinho, fui até ele e nos beijamos, pedi para um amigo filmar aquilo e mais tarde o chantagiei, disse que agora ele seria minha putinha ou eu mostraria aquilo para a esposa dele, mas isso eu deixo para um próximo conto...

Torne-se um membro e comente