Atendimento

CONTO ERÓTICO

imagem conto

Dei para vrios policiais

   Bem, tenho 25 anos, 1,80m 68kg, moreno bronzeado, marca de sungão, olhos castanhos claros, cabelos curtos, corpo liso e discreto, o que irei relatar aconteceu comigo há alguns dias. Era uma terça feira onde eu estava super estressado do cotidiano e resolvi ir a praia para caminhar e relaxar um pouco, estava vestindo uma bermuda cinza e uma regata branca, caminhei e depois de muito andar parei em um quiosque tomei uma água de coco e como estava com o Ipod ouvindo música acabei perdendo a noção do tempo contemplando o mar e quando olho no relógio já eram quase 1:30 da madrugada, eu tinha deixado o carro em casa, tinha ido de ônibus ai pensei, putz como vou voltar pra casa, teria que ir de taxi, mas resolvi ir andando, visto que minha casa não fica tão longe da praia, acho que uns 30 min de caminhada, porém quando voltava para casa fui abordado em uma rua deserta por dois elementos armados que me levaram a carteira, o celular e meu Ipod, passado o susto e a frustração para piorar as coisas começa uma chuva dessas repentinas forte e que parece que o mundo vai acabar em água, como no bairro que moro tem uma delegacia fui caminhando até lá afim de fazer um BO pois haviam levado todos os meus cartões e documentos.

   Chegando lá haviam quatro policiais, fiquei próximo a entrada me secando um pouco para não molhar a delegacia, e quando meu corpo ficou menos molhado entrei, e um dos soldados me perguntou o que eu queria, expliquei que acabara de ser assaltado e que queria fazer um BO afim de cancelar cartões e outras coisas, ele me respondeu que o BO só era feito durante o dia pois o escrivão só estava durante o dia na delegacia, minha frustração foi inevitável, e a chuva torrencial parecia não ter fim, perguntei se poderia esperar a chuva passar ali, ele respondeu que sim, que não teria problemas. Havia uma TV no balcão, fiquei em pé assistindo o programa do Jô que passava e pude observar melhor o soldado que havia me atendido era um homem de aproximadamente 30 anos, cabelos curtinhos na máquina um, deveria ter 1,80 m uns 78 kg forte, olhar para ele era inevitável pós ele era um tesão, e ele percebeu uma dessas olhadas e de modo safado ele pegou no pau e ficou alisando e me olhando, perdi o chão de tanta vergonha, ele se levantou da cadeira e pude ver seu pau marcando na calça, nisso ele levanta e vai lá numa outra sala dentro falar com os outros policiais, escuto algumas risadas e nisso aparece outro policial, me cumprimenta e me olha de uma maneira muito intimidadora, parecia que ele me despia com os olhos, ele era moreno também, um pouco mais alto que o primeiro, não era tão forte porém tinha uma cara mais séria, uma cara de mal mesmo, nisso o primeiro que se chamava soldado Souza vem de lá de dentro com os outros dois policiais, e fala para o que estava na recepção, e então cabo Freitas o que te falei, eles se olharam e riram, fiquei constrangido, mas sem entender direito, então um policial loiro baixinho de aproximadamente 1,75m porém tinha um porte forte, braços super fortes.

   É Souza é redonda mesmo, e o outro policial que era um homem de traços orientais, deveria ter uns 1,82m forte também, se chamava Takashi, ficaram os quatro conversando e rindo, e eu sem entender do que riam tanto, nisso vou até a porta para ver se a chuva tinha cessado porém para minha felicidade não tinha, poderia ficar ali num ambiente altamente excitante vendo uns machos tesudos em seu local de trabalho, nisso quando estou de costas parado vendo a chuva um deles, não pude identificar qual disse: Cara é bem redondinha e empinada, quando olho para trás vejo os quatro policiais me olhando com cara de tarados e o policial Takashi dando uma apalpada no pau dele, me deu um frio na espinha, mas não desviei o olhar, me virei de frente e fui indo em direção ao balção novamente, então o cabo Freitas disse na cara dura sem meias palavras: Cara você deve ter cuidado nessas ruas, ficar dando sopa na rua é um chama pra bandido safado, e para outras coisas também, me fiz de desentendido e perguntei: Outras coisas o que? E o outro policial que até então não tinha dito nada, apenas me encarando disse, você ser estuprado, com uma bunda dessas ainda mais assim você estando todo molhado e a bermuda marcando o contorno dela é um convite para tarado, eu ri sem graça porém minha exitação foi inevitável e como a roupa estava úmida e colada no corpo o policial Souza notou e disse: Acho que ele adoraria isso pois tá até de pau duro, nessa hora procurei terra nas unhas para me esconder, jamais imaginei aquilo, estava sendo literalmente assediado por policiais em seu local de trabalho, olhei para um lado e para outro como se estivesse dizendo: Cara vocês são loucos, podem ouvir isso, então o cabo Freitas disse, relaxa muleque que estamos só nós quatro aqui na DP, a viatura fica fazendo ronda e só volta agora as quatro horas da madrugada ou se pegarem algum meliante na rua.

   Eles sorriram de maneira safada e o Takashi pegou no pau sobre a farda e disse, gosta de um macho Não respondi nada, fiquei pásmo com tudo, então o cabo Freitas me chamou para uma sala dentro da DP, entrei meio receoso porém super exitado, o cabo Freitas deu ordem ao Souza para que ficasse de olho e que depois o Rubens viria ficar no lugar dele. Pois bem, me levaram para uma sala que era tipo um repouso, tinha duas camas e uns armários, acho que para guardar os pertences deles enquanto estavam de plantão, nisso o cabo Freitas fecha a porta e diz, cara tá ferrado, sua bunda despertou nosso tesão e agora você vai ter que saciar nossa vontade e foi colocando o pau dele para fora, o Takashi e o Rubens também fizeram o mesmo, em tom autoritário ele me disse para chupar ele e os amigos dele, o pau do cabo Freitas não era grande, deveria ter uns 16 cm, mormal, o do Rubens era cheio de veias uns 17 cm com a cabeça bem vermelha, também um dote normal, mas fiquei bobo com o Takashi, a gente imagina que japonês tem o pau pequeno, mas pude naquele dia ver que isso é mito, o pau do Takashi era enorme, e grosso, quando ele botou pra fora assustei, e ele disse, vai aguentar ele todinho, meu cacetete no seu cu, seu puto, perguntei quando media ele disse 23 cm de carne que vou atolar no teu cú, nisso os 3 ficaram me rodeando e eu no meio chupando os 3 o cheiro de sexo tomou conta da sala, Cabo freitas dizia obscenidades.

   Rubens só urrava quando eu chupava ele, então eles me arrancaram as roupas, cabo Freitas me arrastou para a cama prendeu minhas mãos com algemas na cabeceira na cama, Rubens colocou-se na minha frente, e Takashi me posicionou de quatro e caiu de boca na minha bunda, ele disse, olha Freitas, o cú desse puto é lisinho, nisso Souza abre a porta e diz, ei quero participar estão me deixando de fora da festa é, então Takashi diz, entra que eu vou ficar lá fora, como sou o dotado quem vai terminar de estourar o cú dele sou eu, nisso Souza entra e já vai colocando o pau pra fora, se masturba um pouco e quando chega perto pude ver que seu pau não era grande mas era grosso, não tão grosso como o do Takashi, mas era mais grosso do que o do Rubens e do Freitas, ele me ficou sentando na beira da cama ao lado de Rubens que estava na sentado na minha frente, fiquei chupando o pau dos dois enquanto Freitas se deliciava na minha bunda, apertava, mordia, veio subindo a língua pelas minhas costas, pois eu estava de quatro disse que eu era cheiroso, tinha pele de mulher, macia, então Rubens nesse momento segurou minha cabeça forte enfiando o pau na minha boca e gozou, jatos de porra na minha garganta, tentei sair mas ele me segurou forte pela cabeça, me engasguei e quase vomitei mas fui ameaçado, disse que se eu cuspisse uma gota do leite dele que ganharia porrada que era para eu beber tudo. Então ele se levantou e limpou o pau com minha roupa e foi para a recepção da DP e logo Takashi voltou, nessa hora Souza fudia minha boca e Freitas montou em mim como um cão faz na cadela, puxou minha cabeça para trás.

   Tapou minha boca e meteu o pau de uma vez, tentei me mexer para sair dele, mas Souza me segurou, e com uma das mãos presas pela algema na cabeceira da cama não tinha muito que fazer só gemia, Takashi disse putz assim que gosto, judiando, Freitas gozou logo despejando gozo dentro do meu rabo ele ficou dentro se contorcendo até sair à última gota nisso ele sai de mim e Souza fala agora é minha vez, Souza era mais carinhoso, meteu devagar, e ficou em um movimento cadenciado, ora parava, ora metia fundo, devagar, acariciava minhas costas, enquanto metia, Takashi na minha frente batendo o pau dele na minha cara, o pau dele era grosso, era mais grosso que um tubo de desodorante Rexona aerossol ele tentava meter na minha garganta só que como era grosso d+ não entrava nem a metade daquele pau na boca, ele dizia que apesar de eu não conseguir engolir a vara dele que eu chupava gostoso, que eu tinha uma boca quente e suave feito veludo, que nunca nenhuma mulher tinha chupado da maneira que eu faço, nisso ele solta a minha mão que estava presa na algema, faço carinho no abdômen dele, beijo a púbis dele passo a língua no umbigo dele, ele se levanta, tira toda a roupa, e o Souza começa a bombar forte e começa a gozar, meu rabo já estava cheio de gala de dois machos então depois que Takashi ficou nu que pude ver o quanto ele era bonito, geralmente a gente vê japonês esses homens amarelos mirradinhos, ou então gordos demais como lutadores de sumô.

   Ele não era um homem austero, forte, corpo malhado, pernas grossas que mais parecia um jogador de futebol, ele falou para Souza, agora me deixa só, que ele é só meu, quando o Souza se limpou e saiu da sala ele trancou a porta e disse, agora você é meu. Como ele estava nu me puxou pra fora da cama, me deu um abraço forte, seu pau comia minhas coxas ele me metia de maneira que seu pau roçava meu saco, a ponto de machucar eu tentava sair, pois machucava, mas ele me segurava mais forte ainda, me forçou para baixo, me deu um tapa safado na cara e disse, engole meu cassetete, tenta por ele todinho na boca, eu disse que não conseguiria pois além de grande era muito grosso, mal conseguia colocar na boca o que dirá engolir tudo aquilo, mas mesmo assim ele tentava eu tinha receios de machucar ele com os dentes pois o pau dele era realmente grosso e por mais que eu abrisse se a boca se não tivesse cuidado pegava no dente, então fiquei sorvando a chapeleta do pau dele que parecia um cogumelo, apertava com meus lábios e ele se contorcia, de supetão ele me levanta e me joga na cama de novo, dessa vez deita sobre meu corpo, me chama de puto safado, de veado, beija minha boca, eu delirava com aquilo tudo, ao mesmo tempo que ele era carinhoso, do nada ele ficava bruto, me virou de ladinho, roçava aquela tora na minha bunda já gozada por Freitas e Souza.

   Ele deita sobre meu corpo, me pegando por trás, vai afastando minhas pernas com as dele, e deita novamente jogando o peso dele sobre meu corpo ele enfiava a língua na minha orelha mordia a ponto de machucar eu gemia, dizia que estava doendo, e isso parecia música aos ouvidos dele, parecia que ele gostava de judiar acho que ele tem o instinto sádico que quanto mais eu pedia para parar ele fazia mais e mais, nisso o pau dele roçando minha bunda então ele se posicionou colocou a cabeça na entradinha e ficou ali parado sem penetrar só na portinha, então ele tapou minha boca meteu a língua no meu ouvido e disse: Dá adeus a tuas últimas pregas, pois elas agora são minha gelei pois sentir a cabeça querendo entrar é uma coisa mas receber aquilo tudo era d+, então ele sem dó atolou tudo de uma vez, jogando todo o peso dele sobre o meu corpo, eu me debatia debaixo dele, meus gritos eram abafados por sua mão, quanto mais eu me serpenteava debaixo dele mais ele me apertava ficou parado uns 30 segundos com o pau fundo em mim, e depois começou a bombar, ele metia tão forte que eu perdia os sentidos, aquele pau estava me invadindo todo, sentia como se batesse no meu estômago, eu chorava de dor e ele dizia, isso meu garotinho, chora mesmo pois a partir de hoje você será nosso, será nosso putinho, a dor foi passando, e sentir um prazer imenso, de choro passei a gemer, e ele metia gostoso, beijava minha nuca, ora mordiscava minhas orelhas, passava a língua no meu rosto, não sei por quanto tempo ele me comeu, mas sei que ele demorou muito.

   Colocou-me de lado, me abraçou forte e meteu gostoso de ladinho, depois com o pau ainda atolado ficou em pé, me pegando por trás e me colocou no ar literalmente com o pau todo dentro, eu já não aguentava mais, pois estava dolorido do pau no meu cú, então ele me levou pra cama de novo, me colocou de frango assado, levantou minhas pernas nos ombros dele e deitou novamente sobre meu corpo, e meteu fundo novamente, bombou forte durante uns 5 minutos na mesma intensidade, a cama batia na parede, então sentir ele se contorcer, e meteu o pau fundo o mais que ele pode, me segurou forte, e ficou parado, sentir seu pau pulsar e ele gozar dentro de mim, ele gozou muito, e depois de gozar ainda ficou dentro por uns minutos, o pau dele parecia não abaixar ele queria mais, então me colocou de quatro e meteu mais, putz, ele era insaciável, demorou muito mais para gozar a segunda vez, só que quando ele foi gozar me masturbou e gozei muito sendo comido por Takashi e ele me masturbando, cai morto de cansado na cama, quando Takashi tirou o pau de dentro de mim estava muito sujo de sangue e fezes fora a gala do Freitas e Souza, não conseguia nem me mexer.

   Ele se limpou, abriu o armário e mandou-me beber um comprimido de dorflex, me vesti, e fui ao banheiro, me limpei, e fui quase me arrastando para a recepção, pois não tinha forças, então Freitas, Rubens e Souza disseram: Takashi vc acabou com o cara, olha como ele está, sentei meio tonto na cadeira, eles me deram um copo de leite com café e pão, realmente eu estava fraco, pois tinha ido às 18 horas para a praia e quando vi já estava amanhecendo só tinha tomado água de coco, então o Takashi fez o BO, e disse que era para eu vir durante a parte da tarde, pois o delegado tinha que assinar o BO. A chuva tinha passado e o Freitas ordenou a Souza que pegasse a viatura e me deixasse em casa. Os safados tinham uma viatura lá, e fizeram tudo de caso pensado, então Freitas disse, cara você será nosso segredo, se você contar algo para alguém a gente acaba com você, todos pegaram meu endereço e meus telefones, sai novamente com eles quatro, mas isso é uma outra história, e acabei sendo o Putinho dos policiais da DP do meu bairro. Hoje só o Freitas trabalha nessa DP, os outros foram transferidos para outra Delegacia, mas como tenho o fone deles volta e meia falo com eles.

Torne-se um membro e comente
rodape fixo Hotboys